Anos Incríveis


Desde que me entendo por gente gosto de escrever, inventar o que fazer.
Lembro-me de pequenina, quando ainda nem sabia que b+a era ba, brincar com a máquina de escrever da minha mãe. Fingia que escrevia algo, gravava a minha “grande história” na cabeça e fingia contar para as bonecas.
Bonecas e bonecos, sim sim eu assumo, gostava de carrinhos e bonecos de meninos.
Criava histórias e nomes para os meus personagens, havia sempre vilões, heróis, donzelas indefesas e muita ação, com efeitos especiais e tudo… apagava a luz para a sirene da ambulância ter mais destaque, prendia barbante de um lado a outro do quarto para que os heróis viessem salvar suas amadas descendo em tirolesas… e com um pianinho do lado para dar o fundo musical de suspense (não tocava nada na verdade, apertava um tecla ou outra, mas o que importava era o som hehe) tinha todo o ambiente para começar a brincadeira.
Criava minhas brincadeiras. Criava meus brinquedos. Criava minhas histórias. Criava até minha música. (acabo de perceber que eu não era muito normal, hehe, mas continuando…)
Bons tempos aqueles.

Fui crescendo e o tom das histórias também, o heróico ficou romântico e a ação deu lugar a emoção.
Tudo era motivo para criar histórias.
O final do capítulo de uma novela, um filme em que o final poderia ser outro, paixões de amigos ou até mesmo um papo no meio da rua, TUDO! Tudo era motivo para eu subir a escada da minha beliche (é eu perdi no par ou ímpar e tive que dormir em cima), pegar meu lápis e meu caderninho e começar a escrever páginas e páginas de história (pegava essas idéias apenas como gancho para as histórias, não era na verdade a vida de ninguém, podem ficar tranquilos).
Houve uma época que as inspirações me vinham em sonhos, acordava e rapidamente escrevia a idéia da história antes que a esquecesse. Motivo para algumas vezes chegar meio atrasada no colégio, mas nada que me atrapalhasse de estar às 07:00 da manhã em Quintino (era uma correria depois, mas valia a pena!).

Mas como na vida tudo passa, essa minha fase também passou… e parei de escrever.
A maior parte dessas coisas joguei fora, guardei quase nada (uma pena, serviria para dar pelo menos umas belas gargalhadas).
As poucas pessoas (olha que são poucas mesmo) que sabem que gosto de escrever já me perguntaram, mas vc não escreve sobre a própria vida, de você mesma? A resposta é não, mas confesso que em alguns personagem ou frases tem algo meu sim, fica difícil não ter, mas é mais ficção do que realidade.

A dois dias retomei essa minha paixão por escrever, ainda não sei se vou mostrar a alguém ou até mesmo se não é apenas fogo-de-palha, mas me sinto novamente com 9 anos escrevendo histórias de perseguição para meus carrinhos e isso é muuuito gostoso. Vamos ver no que vai dar.

Abraços. 😀

Anúncios

2 respostas em “Anos Incríveis

  1. Escrever é terapeutico, e ocupa a sua cabeça quando voce mais precisa…

    Querendo ou não, pode ser que voce seja uma ficcionista, e o unico futuro para a maioria dos ficcionistas é escrever historias, e talvez um dia publicar um livro, ou um filme talvez, quem sabe né? Se a historia for muito boa mesmo, poderia dar um ótimo filme!

    Uma vez, a algum tempo atraz, tive um sonho perturbador… cheguei no final e conclui, “Não existem atalhos para a vida”. Isso pode significar muitas coisas, mas umas delas, que é meio óbvio até, é que se voce tem Dom para uma coisa, não adianta voce fugir, nao adianta voce fazer outra coisa, porque vai parecer que voce está dando voltas em circulos, e voce nunca vai sair do lugar.

    Bom, eu fico por aqui… até mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s